quarta-feira, 30 de setembro de 2009

3 erros do PiG na questão hondurenha

A imprensa brasileira dá um nojo que é indescritível. Agora mesmo, o presidente Lula acaba de receber um prêmio internacional importantíssimo - veja aqui. A repercussão na imprensa mainstream, tão acertadamente apelidada por Paulo Henrique Amorim de PiG (Partido da Imprensa Golpista), foi mínima, para não dizer inexistente. Fiquei sabendo só pelo blog do Nassif.

A total ausência dessa informação de interesse do povo brasileiro - seu líder acaba de ter sua liderança e suas políticas reconhecidas por renomada instituição de pesquisa - só se torna menos absurda diante da cobertura patética do PiG em relação à questão hondurenha.

Primeiro erro: tomar posição. Antes de entrar no mérito, não cabe à imprensa, ou pelo menos ao meio de comunicação que se pretende sério, fazer juízo de valor. Isso é feito na parte de opinião, em Editorial ou coisa que o valha. Mas vá lá, existem ótimos jornais de opinião, que apresentam a notícia criticamente, balisado em ideiais coerentes (The Economist é o melhor exemplo disso). Aí vem o segundo erro.

Segundo erro: a incoerência. O PiG é contra a posição do Itamaraty. Mas é contra porque age igualzinho à oposição republicana a Obama: por puro reflexo. Se é Lula, está errado. Eis o lema do PiG e de seus seguidores. Quando o Governo popular e democrático boliviano agiu dentro do marco legal de seu país, por meio das vias instititucionais, de acordo com seu interesse legítimo e soberan0, essa mesmíssima turma do PiG exigia do presidente Lula uma postura agressiva, beligerante mesmo - e, no melhor estilo neo-con, acusavam o governo de covarde e fraco (alguns exemplos aleatórios, só pra refrescar a memória: aqui, aqui e aqui). Agora, esses imbecis cobram do governo isenção e não-intervenção nos assuntos domésticos de país que teve o Estado de Direito rompido. (A Veja, sempre surpreendendo, chegou ao ponto de pedir o impeachment do Presidente Lula - olha aqui).

Terceiro erro: Não tem lógica nem faz sentido, como esse artigo do El País deixa bem claro, a oposição conservadora à atitude da diplomacia brasileira... O terceiro erro é do leitor/telespectador que ainda leva a sério essa bosta dessa imprensa brasileira, que é oligopólica, elitista, corrpupta e (neologismo warning!) sócio-geo-etno-cêntrica.

E só pra deixar claro, se é que ainda resta alguma dúvida, de que a oposição à política externa lulista é totalmente ideológica e desprovida de razão, não é só no El País que se defende a ação brasileira. Artigo da insuspeitíssima Time - leia aqui - também aprova. Leia o PiG quem quiser... A web está aí pra nos liberar dessa desgraça. Amém!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Colbert entrevista Moore

O que acontece quando um dos mais brilhantes comediantes da atualidade entrevista um dos mais brilhantes diretores da atualidade? Uma das entrevistas mais brilhantes da atualidade!



Assista aqui

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

4 meses

janela da cozinha


Nunca me interessou vir pra Inglaterra. Tirando o aspecto histórico, literário e cinematográfico – ou seja, coisas totalmente teóricas e não palpáveis – nada me dizia a Inglaterra. Não sei bem porquê… Talvez por cenas como aquela de Snatch. O personagem Avi decide ir pra Londres (aqui). Alguém indaga: “Londres?”. E Avi: “Yeah, London. You know, fish, chips, a cuppa tea, bad food, worse weather and Mary fucking Puppins” (Pra vovó Ivandete, que não fala inglês – na época dela se aprendia francês, ou era latim? “É Londres, tá ligado? Peixe, batata frita, uma xícara de chá, comida ruim, clima pior e a porra da Mary Poppins”). Essas tiradas, além de engraçadas, refletem e ao mesmo tempo reforçam uma certa visão que se tem da Inglaterra. Cinzenta, fria, desagradável... A imagem que se tem da Inglaterra, no imaginário popular mundial, é a pior possível. Como esse diálogo de “Snatch” tão bem captura. Quando Avi volta pros Estados Unidos, o agente da aduana pergunta se ele tem algo a declarar. Resposta: “Yeah: don’t go to England!” (“Sim: não vá pra Inglaterra!).

Para piorar, a única vez que vim pra Londres, foi há mais de dez anos, em 1995, em viagem de família. A capital inglesa era a primeira parada europeia de uma viagem que começou no Oregon, na Costa Oeste dos Estados Unidos! Decalagem de horário: 8 horas! Para frente! Chegamos aqui em pleno dia, quando, mentalmente, era tarde da noite. E como íamos ficar pouco tempo na cidade, tínhamos que aproveitar cada momento... Deixamos as coisas no hotel e fomos pegar o ônibus turístico. O sol quente do verão na cabeça, e o que eu mais me lembro dessa viagem foram as pescadas que eu, Diogo e Letícia demos durante todo o percurso. Fora isso, só me lembro de duas outras coisas: o chuveiro do hotel era minúsculo, no meio do quarto... a gente tomava banho encaixotado, mal podendo se esfregar senão derrubava a “caixa”. E o museu da tortura... macabro! Pra piorar, de Londres, iríamos pra França e Itália...

Desde então, nunca tinha voltado aqui. Mais por falta de vontade do que de oportunidade.

Por tudo isso, Londres tem sido uma bela surpresa. Cada vez gosto mais daqui. São muitas cidades numa mesma cidade. Talvez por isso que o nome seja no plural: Londres! Cada semana é uma descoberta.

Tem um bar que toca forró toda quinta-feira – um dos músicos é o filho de Geraldo Azevedo. Tem um monte de brazucas, mas tem vários gringos também. Noutro lugar, no “Ain’t nothing but the blues”, toca blues de primeiríssima qualidade, ao vivo. Outro “pub” que eu fui, o “Hole in the wall” (“buraco no muro”), tem um das últimos fliperamas da cidade e tem o charme de ficar em baixo do trilho de trem – de vez em quando rola aquele som do trem: “vuco-vuco-vuco”. Tem um pub perto aqui da minha casa que anuncia, orgulhosamente, ser o local de nascimento (“the birhplace”) da banda Iron Maiden. Os pubs são verdadeiras instituições inglesas. Todo bairro, quase toda rua tem um. E quando dá seis horas da tarde, eles ficam lotados. É regra, depois do trabalho, as pessoas irem tomar umas “pints” no bar, antes de voltar pra casa. O inglês típico tem o seu bar de costume. Eu não tenho o “meu” pub. Ainda estou na fase exploratória. Uma coisa bem típica aqui é o “pub crawl”, em que se vai de bar em bar, tomando uma “pint” em cada um. Um trajeto típico é seguir a Circle Line, a linha circular do metrô, e descer em cada parada, ir no primeiro pub que encontrar, tomar uma “pint” e voltar pro metrô pra ir até a próxima estação e repetir fazer tudo denovo. Até fechar o círculo (se conseguir). E tem os jogos. Por exemplo, se pegar o copo com a mão errada (tem que segurar com a direita, aparentemente), então tem que virar o copo. E no metrô, não pode se segurar em nada – e se cair, vira uma pint inteira no próximo boteco. Brincadeira de inglês. Mas fechar o círculo é façanha que só os profissionais do copo são capazes de realizar. Ainda não cheguei lá. Continuo explorando os pubs. Essa semana fui a um, o Power’s Bar, que tem blues ao vivo. Antes, tinha ido a outro, o Ain’t Nothing But The Blues. Cerveja boa e música ao vivo de primeira.

***

Em agosto teve o famoso carnaval de Notting Hill. A festa existe desde os anos 60 e, originalmente, começou como protesto de migrantes caribenhos contra o preconceito racial. Com o passar do tempo e a melhoria das relações raciais, o aspecto político foi ficando de lado e só restou mesmo a parte da gréia. Hoje, a festa é o maior evento de rua da Europa. Eu tinha ouvido coisas negativas – de brasileiros, dizendo que não era lá essas coisas e de ingleses, que em geral acham a festa “perigosa”. Ambos estão errados. É uma festa aberta e divertida. Esse, sim, é o verdadeiro carnaval multi-cultural: tem reggae, música eletrônica, samba, rockabilie... Com algumas vantagens em relação ao nosso período momesco. No topo da lista, destaco o fato de você brincar carnaval o dia inteiro e sair limpinho, sem uma gota de suor! Isso é uma das coisas que mais incomoda em Olinda: sair todo molhado, sem saber se é meu suor ou o alheio, ou se é o mijo que sacudiram no copo descartável. Tem também semelhanças: houve um momento que me movi involuntariamente, sendo levado, literalmente, pela multidão, no melhor estilo olindense. Já a violência a que os gringos aludiam... coitados. No final da festa, houve uma correria, eu e meus amigos nos protejemos entre os banheiros químicos. Perguntamos a outro folião o que estava ocorrendo. Alguém havia dito que tinham jogado uma garrafa. Ah, rapaz! Na minha terra, quando tem tumulto, é bala mesmo! Assim é muito bom, dá uma emoçãozinha, mas logo tudo se resolve. E você sabe que, na pior das hipóteses, só vai levar uns pontinhos na testa – e isso, eu já tenho!

***

auto-retrato no espelho do elevador


Depois que voltei da viagem pra Barça e Lausanne, não voltei para o mesmo trabalho de panfletagem que tinha. Fui pra outro. Distribuir panfletos da pizzaria Domino’s, anunciando sua nova pizza Chicken Tikka com molho de manga, de casa em casa, colocando-os nas caixas postais alheias. Ou seja, distribuidor de lixo. Era um trabalho extenuante. Cinco horas por dia, sem intervalo para nada, andando sem cessar, subindo e descendo escadas de prédios, depositando entre 800 e mil panfletos por dia. O lado bom é que conheci partes da cidade que de outro modo jamais conheceria. Regiões residenciais que nunca teria tido a oportunidade de conhecer. Vi todo tipo de habitação inglesa, das mais elegantes até as mais chinfrins. E ainda dava umas espiadas nos apartamentos e casas das pessoas, por pura curiosidade mesmo, através do buraco na caixa de correio. Senti os mais diversos cheiros e odores, alguns que remetiam à minha infância, outros ao meu período oregoniano, outros a restaurantes indianos, e outros que é melhor nem mencionar! O lado negativo: é chato pra cacete e fisicamente exaustivo.

Depois de duas semanas de trabalho, avisei, conforme o contrato, com duas semanas de antecedência, que teria que sair, pois iria me mudar pro sul da cidade. A mulher me disse que eu não precisava voltar e que terminariam o meu contrato logo ali. Minha vontade foi de abraçá-la. Mas, como ela achasse que estava me punindo, pensei duas vezes... vai que ela voltava atrás, se eu demonstrasse satisfação... fiquei na minha.

Minha conclusão, depois dos dois trabalhos de verão que tive: jamais poderia ser imigrante ilegal. Chiei com uns trabalhos que pagavam ligeiramente acima do salário mínimo, com horários decentes e relações trabalhistas legalizadas. Não teria sobrevivido as condições árduas que os ilegais enfrentam. Nunca é demais agradecer ao tataravô que migrou pro Brasil e, por acidente do destino, ficou em Recife. Grazzie mille!

***

Aqui na Inglaterra está a maior onda natureba. Todos os políticos, de todos os partidos, estão atualmente “ecologicamente” conscientes. Todos se preocupam com o tamanho de sua “pegada ecológica” (a quantidade de carbono que suas atividades cotidianas emitem). O prefeito, por exemplo, pedala para o trabalho. Tem um outro político que reduziu o consumo doméstico de energia. E por aí vai. Mas está se chegando a um ponto que beira o ridículo. As pobres das vacas estão prestes a tornarem-se inimigas número um da camada de ozônio. A quantidade de carbono que ela emite durante um ano é equivalente à poluição gerada por um carro. Agora danou-se. A pobre da vaca não pode nem peidar em paz! O que propõem os verdes? Rolha?!

***

Fui ao meu primeiro jogo de rugby. Pra minha surpresa, é divertido! Não é mais uma excentricidade francesa! É empolgante e cheio de ação. Só não sei bem torcer direito. Decorei os principais gritos: “Take him down!” (Derruba ele!), “Come on!” (Vamos!), e um outro que me fugiu à memória agora! E eu nem sei o contexto adequado para utilizá-los... Pelo menos já tenho o time, que é o mesmo do pessoal que me levou, por gratidão. E também porque tem uma ligação com nossa terra. O time se chama Harlequim. Achei bastante adequado eu torcer pra esse time.

***

Aos poucos vou encontrando as minhas coisas por aqui. Por exemplo, achei o meu supermercado. É o supermercado dos meus sonhos. Me lembro quando a Sadia lançou a linha de produtos HotPocket. Fiquei muito feliz, pois desde que saí de casa – que, aliás, nunca foi uma casa em que o ato de cozinhar fosse muito estimulado – que cozinhar sempre era um problema. Me senti contemplado, como público alvo, dessa nova linha de produtos. Prático, rápido e não é a pior coisa do mundo. Nada que um bom e velho ketchup Heinz não posso dar um jeito. Pois bem, aqui tem uma loja inteira de produtos “práticos, rápidos e que não são as piores coisas do mundo”. Se chama, muito sugestivamente, Iceland. E eu já fiz o meu cartão de fidelidade!

***

Próximo relato, novidades. Casa nova, início de curso e o começo da brincadeira.


minha casa vista pelos fundos

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Entrevista de Lula ao Valor Econômico

Luis Nassif disse que foi uma entrevista histórica (leia aqui). Não acho que esteja exagerando. Trata-se de uma entrevista ampla, que aborda vários temas, em que o presidente estabelece claramente a sua visão de mundo e explica qual o legado do seu governo. Leitura obrigatória, por isso posto aqui.


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Entrevista com Ciro Gomes

Posto aqui os links pra entrevista de Ciro Gomes ao programa Canal Livre da Band. Está sensacional. Ciro faz uma defesa enfática e lúcida do Governo Lula e apresenta uma análise bastante sensata da situação atual da política brasileira. É uma entrevista muito pedagógica sobre o funcionamento do sistema político e legislativo brasileiro. Gosto também da maneira como ele não aceita as teses ready-made do PiG. O jornalista Antonio Telles começa pintando um quadro negro da política nacional, logo no início. E Ciro já começa contradizendo: "Eu acho que o Brasil está melhorando em tudo. Especialmente nos costumes políticos". A partir daí, combate todas elas, inclusive a tese do "mensalão" (num bate-boca memorável com Boris Casoy). Diferente do bestão do Mercadante, que não confronta e se acovarda, aceitando qualquer baboseira que o PiG apresente como fato. Mercadante e outros deveriam fazer um curso de Governismo com Ciro.


Parte 1


Parte 2


Parte 3


Parte 4

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Comentando o preconceito

comentários do Facebook ao texto abaixo


Alexandre Cavani Rosas
Caralho, Bernardo. Que comentário mais mainárdico desse teu amigo.
Damn!

Guilherme Rocha
Já eu pensei que o vídeo da candidatura Rio2016 tinha sido preparado exclusivamente por computador. Tipo quando empresas de videogame recriam cidades para destrui-las em seus jogos.
Não tem mistério, o Rio tem uma beleza de outro mundo, mas um tour virtual pela cidade sem ver favela é piada.
no mais, adorei o teu texto.

Paulina Roig Lira
hard to believe in such "nazi" comment...
e o video mostra um rio que nunca vi, realmente fabricado. Uma pena, pois e realmente uma cidade muito bonita. Porem fingir que as favelas nao existem e um pouco demais!

João Lima
a maior ignorância é, depois de tanto (colonização, miscigenação, etc), ainda ter alguém que acredita em pureza e pior, defende a separação. Esse teu amigo advogado está reprovado em história, ética, lógica, sociologia... e vive às custas de um povo, pobre e miscigenado.
boa berna, mande brasa!

Tchelo Guedes
ta na hora de tu rever suas amizades...

Jorge Santos
mais uma coisa, lembra ao amigo carioca que o Rio não está nem entre as 100 melhores cidades em IDH do Brasil.. Niterói e Macáe não as únicas no estado.. pq será?

Diogo Loureiro Jurema
burro, limitado, preconceituoso, prepotente, arrogante, sem-vergonha, elitista. devia morrer de uma bala perdida pra deixar de ser tudo isso, porque esse daí, só nascendo de novo.

Joao Filipe Muniz
Pelo menos ele teve a coragem de externalizar que pensa sobre a desigualdade regional, se ele mostrar argumentos razo... Saiba maisáveis tem todo o direito de pensar desta forma. Realmente há um forte fluxo migratório para o eixo Rio - SP; e algumas interpretações da legislação tributária nacional afirma que recursos que seriam destinados ao estados mais ricos acabam indo parar no NE.
Não acredito que as olimpíadas deva ser uma medida compensatória para tal fenômeno, que vai muito alem deste argumento encontrado em diversas obras acadêmicas, mas é bom ter gente pensando assim por que a gente aprende a não ser tão idiota e mesquinho com os outros sem precisar nunca na vida passar por um papel deste.
Ahhh, se um dia as olimpíadas de verão forem no Brasil, acredito que o rio seria o local.

André Bandim
pipo, com todo o respeito, há formas menos hostis de educação para a generosidade. e veja bem, se sofrer preconceito fosse sinônimo de crescimento pessoal e tolerância, o nordeste seria um templo de paz e amor :)


segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Quando o preconceito se torna explícito

O preconceito, de qualquer ordem, é muitas vezes velado. Mesmo quando está latente, é dissimulado, disfarçado. Nem por isso menos sútil. Apenas não oficial, público, proclamado. Talvez envergonhado. Mas sempre presente.

Eu nunca fui pessoalmente destratado (por ser brasileiro no exterior, ou nordestino no Brasil). Com algumas exceções. Uma vez, uma curitibana, fazendo intercâmbio comigo na França, depois de me ver me comunicando com a comunidade anglófona, a latino-americana e com os brasileiros, dominando as três línguas (inglês, francês, espanhol), além da língua nativa, ela tentou fazer um elogio: "você tirou o preconceito que eu tinha contra os nordestinos". Em outras palavras: viu alguém que fala muitas línguas (como isso, por si só, impressiona os imbecis!), e pensou, "ah, os nordestinos não são todos burros" (como se aprender língua fosse indicativo de capacidade intelectual e não, como tudo no Brasil, de minha classe social e as oportunidades que tive por conta disso).

Mas o preconceito maior não é revelado por anedotas pessoais. Se fosse por isso, eu nem notaria. É uma questão histórica, mesmo. Afinal, o descaso com que a periferia do centro econômico e político do país sempre foi tratada não é fruto do acaso ou castigo divino.

Tem quem julgue Paulo Henrique Amorim "radical", entre outras coisas, porque ele costuma caracterizar a elite brasileira como "branca e racista e separatista (no caso de São Paulo)".
E aí ouço uma história de um tio meu. Ouviu pessoalmente de Serra, nos anos 90, quando o convidou para uma inauguração de uma empresa em Pernambuco (vou ser bem vago para não comprometer ninguém). "A resposta: do Nordeste, eu não quero nem a água de côco". Dia desses, PHA publicou este post aqui. Lá afirma: "o preconceito contra os nordestinos é a agenda secreta de 2010".

Também muito da crítica ao Presidente Lula vem carregado de preconceito de classe e, no sul-sudeste, preconceito de origem também.

E se ainda há quem duvide, aí a Internet permite o registro definitivo quando um racista deixa de lado a máscara usual e assume seu verdadeiro ódio sócio-regional.

Me refiro a uma troca recente de mensagens via Facebook com um conhecido meu lá do Rio. Tomo a liberdade de publicar aqui porque as mensagens não foram privadas. Foram postadas pelo autor em seu próprio "mural" do Facebook, sem qualquer constrangimento. Eu fiz um comentário a um vídeo promocional da candidatura do Rio aos Jogos Olímpicos (veja aqui), que ele havia postado. Eu comentei, em tom jocoso, que haviam "photoshopado as favelas". Daí seguiu-se essa troca:


Rogerio Campos
Bernardo, nao photoshoparam nada, inclusive pq o projeto Rio 2016 tem mt de inclusão social. Minha cidade é simplesmente bonita mesmo, foi mal se Recife nao tem 1 decimo do charme e tampouco vai receber uma olimpiada!

03 de setembro às 12:54
Bernardo Jurema
haha
ei po, isso né uma competição não, velho. não precisa levar qq crítica pro pessoal não! o vídeo dá uma maquiada na cidade... normal.
aliás, eu sou contra olimpíadas, copa etc em recife. nuzman e ricardo teixeira vão encher as burras de dinheiro público... :(
e o brasil inteiro, os pernambucanos inclusive, apoiam o rio2016. financeiramente, inclusive, por meio dos nossos impostos da grana federal que vai bancar esse negócio. lembre-se disso.

Rogerio Campos
Ah Bernardo, que PIADA! Os Estados do Sudeste (basicamente Rio-SP) bancam o nordeste há séculos, desde que o Rio virou a capital do Brasil... Talvez, de fato, essa olimpiada seja a 1a oportunidade do Rio (e sua populacao) recuperar uma pequena parcela de todos os impostos nossos que vao pro ralo aí por esses bandas...Isso sem contar o fluxo migratorio classico que tantas mazelas trouxe e ainda tras ao eixo RIO-SP...



Algo assim serve para nos lembrar que o racismo à brasileira, sempre dissimulado porém latente, às vezes emerge de forma bruta, nua e crua. E torna plausível a história de Serra. E dá credibilidade à assertiva de PHA ("elite branca, racista e separatista"). E explica o ódio que certos setores nutrem em relação ao Presidente Lula e ao povo ao qual ele se assemelha e com quem compartilha um caldo de cultura e de valores, para vergonha desses setores minoritários (brancos, racistas e separatistas).

Mas é um alento saber, por outro lado, que vivemos um momento de transição, em que investimentos públicos do Governo Federal, numa monta sem precedentes na História do país, estão transformando essa realidade - exemplo eloquente são as ecolas técnicas federais.

O comentário do advogado, que postei acima, além de historicamente errado, é extremamente preconceituoso. E eu disse isso a ele. E o adverti: nunca repita isso pra um nordestino, porque pega muito, muito mal... Essa linha de raciocínio, eu expliquei, é análoga aos críticos da imigração latina nos Estados Unidos, turca na Alemanha e árabe na França...

Eu disse mais: desde que o Rio virou capital do Brasil que o resto do país manda impostos pro centro e recebe muito pouco em retorno... o que, aliás, explica as inúmeras revolstas independentistas que aconteceram tanto ao sul quanto ao norte, durante o Brasil Colônia e o Brasil Império. Sem contar que disperdício de dinheiro público não é exclusividade de nós, atrasados nordestinos... inclusive porque, historicamente, sempre recebemos menos, proporcionalmente. Engraçado um fluminense falar isso... um estado que teve os Garotinhos governando... E o fluxo migratório, que trouxe "mazelas", trouxe também a mão de obra barata que tornou possível o desenvolvimento industrial dessa região do país.

Só agora esse processo histórico está sendo revertido, com as políticas do governo Lula. Nunca houve tanto investimento no Nordeste, e por isso mesmo, a nossa região tem crescido acima da média nacional. E não por acaso, pela primeira vez em décadas, desde os princípios do processo de industrialização brasileira, o fluxo migratório se reverteu. Tudo isso graças a uma série de políticas como essa aí das escolas técnicas, graças a uma visão holística do país, graças ao respeito a todos os brasileiros, de qualquer origem social ou regional. Tudo isso, em suma, graças a um governo que não tem vergonha do seu povo, muito pelo contrário: é seu reflexo mais puro:




***

Agora que penso que talvez não seja por acaso que os melhores presidentes da História do País, Getúlio e Lula, sejam um gaúcho e o outro pernambucano!