quinta-feira, 15 de novembro de 2007

TV Pública versus TV Estatal: dois modos de dar a notícia



O Professor e o Bufão: dois modos de se dar a notícia, o certo e o errado

O “incidente diplomático” - só pra ser “diplomático” - provocado pela verborragia chavista tem sido interessante em mais de um sentido. Um dos assuntos sobre o qual o evento lançou luz foi o debate que ora vivenciamos no Brasil: TV pública versus TV estatal.

É interessante comparar a abordagem da Telesur, a TV de Chávez, com a TVE, o canal público espanhol. O texto no site da Telesur – leia aqui – é um primor de jornalismo parcial. Toda a matéria é permeada por citações do... dono da TV, qual seja, o próprio Chávez. Lá no final, uma nova fonte... O vice-presidente cubano! O teor do artigo é justificando o injustificável, procurando dar uma razão àquilo que não faz sentido. A intervenção de Chávez foi grosseira, grotesca, leviana. Não se acusa sem prova e, tendo-as, não se faz daquele modo nem naquelas circunstâncias. O coronel Chávez se comportou perante chefes de Estado como se estivesse na sua Venezuela. Lá, sim, ele manda e desmanda. Só há uma versão possível dos fatos – a oficial, a dele próprio, como vimos na exemplar matéria da Telesur. Pluralidades de idéias só mesmo na medida em que sejam idéias oriundas da cabeça do próprio chefe.

Na versão chavista, o coronel venezuelano estava legitimamente defendendo seu país, denunciando uma verdade absoluta. O fato de Chávez sofrer críticas se deve à manipulação dos grandes meios de comunicação, como se a cena grotesca protagonizada pelo caudilho não se bastasse em si. Nem a Globo, nos seus piores momentos, é assim. É como se sempre ela entrevistasse os Marinho...

Por outro lado, temos a reportagem da TVE, a TV pública espanhola – veja aqui. Vemos um jornalismo completo, onde vários lados são mostrados. A fala do Coronel Chávez é mostrada na íntegra, inclusive com legendas para que possamos entendê-lo. Também vemos toda a fala do primeiro-ministro Zapatero, inclusive ele tentando falar e sendo reiteradamente interrompido pelo caudilho petroleiro. Isso não é só anti-diplomático; trata-se de falta de educação doméstica! E prepotência digna de ditador. Aliás, é notável a classe com que Zapatero se saiu nessa insólita situação. A frieza que manteve, mesmo lidando com um ogro, dando-lhe de fato uma aula de comportamento democrático (tanto teórica quanto prática). Mas a reportagem da TV pública espanhola não termina aí. Ao final, temos um político do partido conservador PP, de oposição ao socialista Zapatero, que faz críticas contundentes à política externa governista. Eis aí uma coisa impensável na TV de Chávez: dar voz aos dissidentes... só se for voz de prisão!

Tudo isso é bastante pedagógico no momento em que estamos a discutir, no Brasil, a TV Brasil, a nova TV pública a ser criada pelo Governo. Dia 12 de Dezembro ela entra no ar. Fiquemos atentos e vigilantes para que siga o caminho europeu, não o venezuelano.

3 comentários:

Cesar disse...

Outro post excelente, Bernardo.

E se Aznar que apoiou o golpe for fascista por isso, o que dirá de um próprio golpista, tal qual foi o coronel Hugo Chavez em 1992?

Pena que Lula tenha defendido Chavez. Pedro Doria em seu blogue faz uma excelente desconstrução da defesa lulista. Veja aqui:

http://pedrodoria.com.br/2007/11/15/lula-esta-errado-debate-nao-faz-umademocracia-muito-menos-na-venezuela/

Eduardo Amorim disse...

Acho que você, na sua atenção aos pontos que lhe chamam atenção da vida, é uma coisa interessante de ser acompanhada pelos jornalistas de batente. Tenho que concordar com Cesar, a pauta desse blog é bem interessante. A gente só discorda em todos os posicionamentos relacionados ao Governo Federal. Eu mesmo tinha começado um outro comentário dizendo só faltou o slogan final Aecio Presidente. Era para dizer que o PT quer uma TV ESTATAL e a única esperança de criar algo verdadeiramente PÚBLICO é tirando da mão dos petistas a gestão da futura rede televisiva (será que o Governo Lula teria essa coragem?)

Jorge disse...

Mais um outro post muito bom, acho que uma coisa é autoritarismo do Chavez, que é reprovável, mas que deve ser resolvido a priori, internamente, o outro, é a maneira como a mídia brasileira trata todos os assuntos relacionados a Venezuela, parece que Olavo de Carvalho edita todas matérias, é um marcathismo tão patético quanto os arroubos chavistas.
Outra: AÉCIO NEVE É O CARALHO, NUNCA MAIS PSDB, sucateador mor do Estado brasileiro.
- VIVA o vertiginoso crescimento econômico
- A melhor taxa de geracão de emprego em 21 anos
- Crescimento da indústria automobilistica é tal que ela própria não ta dando conta de suprir a demanda do mercado
Entre outros feitos de governo do PT, apesar do boicote hipócrita da oposição de palanque, vide a CPMF.