quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Ho ho ho é o caralho

Nesse Papai Noel aí, eu acredito!


Eu nunca engoli bem esse negócio de Natal. Desde pequeno. Lembro-me de uma árvore que, na terceira série, eu e meus coleguinhas tivemos que decorar para a data festiva:


-- Tia Rejane, por que algodão?



-- É neve.

Como assim?! Que porra é neve? Como, se aqui está fazendo 30 graus! E pelo que aprendi no Catecismo, não havia neve nem pinheiros na terra de Jesus.


Muito provavelmente, eu não elaborei todos esses sofisticados questionamentos naquele momento, aos oito anos de idade. Mas o estranhamento, sim, já estava lá.


Todo esse espírito natalino, no Brasil em geral, e no Nordeste em particular, é totalmente descontextualizado, fora de lugar – é falso, artificial.


Neve, pinheiro, renas, trenós, chaminés, “jingle bells”... nada disso nos diz respeito, nada disso nos pertence, nada disso nos é original e por isso é tudo tão inadequado. Por que temos que macaquear o que vem de fora? Que vergonha é essa de nos assumirmos? Que tipo de colonização mental revela esse comportamento mimético acrítico? O mais lamentável é que não é por falta de matéria-prima. No Brasil-real, as classes populares têm os autos natalinos – como o cavalo marinho, o pastoril...


Tome Papai Noel. Ele não faz parte do imaginário popular (não fazia; agora, até faz); e, para que fizesse, seria necessário uma nova idumentária condizente com a nossa terra, para início de conversa! Uma crítica construtiva:



Aliás, todo o “clima natalino” precisaria passar por um banho de loja, para se adequar. Tudo isso para não mencionar que o significado real da festa – o nascimento de Jesus – se perde (embora isso não ocorra nos autos natalinos populares!) em detrimento do aspecto meramente comercial, consumista – apesar e a despeito de toda a retórica paz e amor tão comum.


Essa história toda apenas comprova um dos traços marcantes da sociedade brasileira – ou, pelo menos, daquele setor “que conta”, o Brasil-oficial: a hipocrisia. Como sempre, não se assume o discurso verdadeiro, escondendo-o por trás de uma retórica “bacana”. Nem nos assumimos como consumistas – como os americanos, por exemplo; nem nos reconhecemos como cristãos praticantes – a exemplo dos muçulmanos que realizam o Rajj, agora. Usamos a retórica cristã para vender...

4 comentários:

Jorge disse...

é o auto-engano, as pessoas precisam acreditar que todo esse alvoroço de fim de ano tem um sentido metafísico e emocional, se elas reconhecessem que todas as mensagens positivas da TV no fim de ano sao meros instrumentos de consumo, elas não suportariam, a sociedade se nega a ver sua própria imagem no espelho, mas deixa eu calar que se não vou passar por chato, ho ho ho

Dado disse...

Eu gosto de comer peru, pêssegos em calda e tudo que for comida aculturada de Natal. No dia em que tiver de tomar cachaça porque é a nossa bebida tradicional, eu nem piso nas confraternizações da minha família (fico no whisky escocês, vinho na pior das hipóteses chileno e um champanhe francês para abrir o ano). Outra coisa, esse negócio de auto de Natal e tradições bumba-meu-ovo é um saco. E digo isso porque meu filho me faz assistir todos os anos! Rejane é Rejane? Interessante, pois a filha que gosta de fazer umas árvores de Natal inspiradas em Graciliano Ramos. Nem tudo está perdido Berna.

Cesar disse...

Bernardo, nao sou assim tao pessimista. O Brasil deu contribuicoes significativas a historia do Papai Noel. Ou nao eh em Pelotas onde o Papai Noel faz sua parada tecnica anual para trocar de viadinhos que puxam o seu treno?

yes1 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,a片,AV女優,聊天室,情色