sábado, 14 de julho de 2007

Vaias para a classe-média brasileira



Eu não vi na TV. Fiquei sabendo pelo meu irmão, que estava lá no Maracanã. Mas fiquei muito triste com as vaias que o Presidente Lula recebeu. Como disse o próprio: é uma sacanagem.


Antes de tudo, foi desrespeitoso. Num evento, ainda que um tanto irrelevante (vamos lá, quem aí assistiu ao último Pan? Alguém lembra dele?), com certo apelo internacional, isso foi feio e foi mais – foi recalque. Preconceito de classe, sim. Se tivesse sido o Presidente Professor PhD, duvido que tivesse havido vaia. A platéia vaiou, ainda, as comitivas americana e venezuelana. Ou seja, a nossa classe-média ilustrada não sabe distinguir um evento esportivo-cultural de uma manifestação política (talvez porque não costumem frequentar nem um nem outro). Além de as vaias demonstrarem a ausência de qualquer coerência político-ideológica. Se as vaias denunciam alguém, não é o Presidente Lula: é a ignorância e má educação da classe-média brasileira.


Foi sacanagem também porque foi injusto. Porque vaiaram o Presidente Lula, mas aplaudiram Nuzman e César Maia. Ora, segundo a Caros Amigos, Nuzman é o principal responsável pelo superfaturamento das obras do PAN. Todas as concessões foram ganhas por amigos, parentes, sócios de Nuzman. O orçamento original, previsto em 400 milhões de reais – chegou quase aos 5 bilhões de reais. César Maia, um dos gestores públicos mais incompetentes do Brasil hoje, deveria ser grato ao apoio suprapartidário do Governo Lula ao evento. Mas notícias da Carta Capital ou da Caros Amigos nunca repercutem, não sei porquê (sarcasmo).


Cada vez que Lula aparecia no telão, a platéia vaiava. Exceto Diogo – ele se levantava a cada vez, aplaudindo e apoiando o nosso Presidente. Eu faria o mesmo e tenho orgulho que ele tenha agido assim. Na verdade, essa vaia é a expressão da classe média brasileira – Diogo explica que o preço mais barato para estar no evento era 150 reais. Por isso houve a vaia: não havia povão, povo mesmo. Essa vaia demonstrou o quão ignorante é a classe média brasileira, que se julga tão culta e auto-suficiente, e que obtém suas informações de muito poucas fontes de notícias e nem sequer as digere ou processa, engolindo tudo acriticamente. O nosso povo tem, repetidamente, demonstrado ser muito mais sábio e, principalmente, independente, do que a nossa classe média. E isso é muito bonito. O blog do Noblat, meio que na torcida, “analisa” que possa haver, a partir dessa vaia, uma “inflexão na popularidade” do Presidente Lula! Há! Pense numa “análise” enviesada, movida por puro “whishful-thinking”! Podem aguardar: é capaz de a popularidade do Presidente até subir nas próximas pesquisas; certamente não irá cair.

3 comentários:

Jorge disse...

E a imprensa se refastelando com as [orquestradas] vaias ao presidente, por que ninguém me tira da cabeça que isso é mais uma obra do cínico do César Maia, porque além do preço salgado, muitos dos presentes receberam ingressos da prefeitura. Na falta do que criticar o governo,todos os jornais noticiaram em primeira manchete as vaias ao presidente. Eu também não vi, nem pela TV, muito menos ao vivo. Estava na escola [vazia] estudando, até porque teria muita raiva ao ter que ver esse ato desprezível da elite brasileira, vaiando os EUA pra quê, se e o que a classe média-alta brasileira mais faz é copiar os americanos [naquilo que eles tem de pior, porque as qualidades que são muitas também eles não conhecem] e ter que assistir "Daniela ACM pasteurizada Mercury" encerrando a festa do superfaturamento e da hipocrisia brasileira.

Jorge disse...

Aliás vale ressaltar: qual seria o motivo das vaias ao presidente? Vejamos, Lula teve uma grande votação no Rio [com exceção talvez do Leblon e afins], apoiou FINANCEIRAMENTE inclusive as obras quando que eu não posso nem dizer se é uma coisa boa tal o tamanho dos gastos pra tão pouco, e principalmente acabou de anunciar um investimento de cerca de 2 Bilhões de reais nas favelas, dentro do PAC, com o intuito de fazer mais forte a presença do Estado, que só vai a favela para matar.
Não tem nenhuma razão, a não ser a ignorância dessa elite que continua falando do Brasil como um país bem distante, e lamentando hipocritamente a desigualdade e pobreza que ela perpetua.

carol goradesky disse...

a grande inversão, vaiar lula e aplaudir césar maia. isso foi incrível. tive muita vergonha (vi pela televisão), fiquei constrangida com o sorriso do césar maia. to comentando mais pra agradecer suas palavras do que outra coisa, porque tudo o que eu poderia querer dizer já foi dito nestes textos!
beijos.