quarta-feira, 28 de junho de 2006

Patriotismo de bosta... quer dizer, de Copa

Há uns brasileiros que têm uma relação de amor e ódio com os Estados Unidos. Adoram odiá-los e, sobretudo, imitá-los. Criticam vários dos comportamentos de seus cidadãos, mas não hesitam em mimetizá-los.

É comum, por exemplo, ouvir de um desses brasileiros o quão ridículo é o fato de que alguns americanos têm por hábito hastear a bandeira nacional em seu quintal da frente. Mas são esses mesmos brasileiros os primeiros a perfilar bandeiras, bandeirolas e bandeirinhas verde-amarelas na varanda e janelas dos apartamentos, carros e o que mais fôr possível; que passam o dia inteiro de jogo buzinando aquele som intolerável; que se fantasiam de torcedores brasileiros a cada dia de jogo; que chora e se emociona com o 1/4 do Hino que toca antes da partida; que grita, torce e se entusiasma por mais chato, ruim ou entediante que o jogo possa ser. E, sobretudo, que bebe - porque aqui tudo é festa, tudo é carnaval, tudo é a espontaneidade criativa do povo pobre que no futebol acha refúgio para suas mazelas e que se une aos ricos, etc., etc.

Prefiro um patriotismo em torno de valores e ideais, perene no decorrer do tempo, do que esse nosso patriotismo superficial, histérico e demagogo - em uma palavra: babaca - que só acontece a cada quatro e anos.

3 comentários:

Guila disse...

oxe, brasil é país além de ser um time de futebol?

é hexa porra!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

tas disse...

não é nem babaca, é superficial, raso, com prazo de validade...e pior, essa copa sem graça com esse time desempolgado fica tudo uma grande sensação de alegria em cima de pouca coisa...sei não...

Bruno Rodrigues disse...

Bernardo, escrevi um texto sobre o Brasil depois da Copa, e um dos parágrafos é esse:

"Já é triste viver num país que por falta de ser o melhor do mundo na área de educação, saúde ou igualdade social, tem de ser nacionalmente orgulhoso por ter os melhores jogadores do Brasil. Não acho errado o nacionalismo brasileiro somente florescer a cada 4 anos. Errado é termos um país que nos dá apenas essa alegria momentânea de sentirmos ser uma nação. O nosso nacionalismo quadrienal é consequência, e não a razão da nossa falta de sentimento de um povo unido sobre uma pátria."

Depois dá uma olhada no meu blog