sexta-feira, 1 de julho de 2005

SEM MEDO DE SER FELIZ...

Por mais adverso que seja o momento atual, é justamente agora que devemos preservar a esperança de que as coisas vão melhorar. Independente da idade, da vivência que tenhamos, o momento é de otimismo.
Por pior que seja a situação do governo e de seus aliados, seria bom que os governistas saíssem da crise mais fortes. Entretanto, para que isso seja possível, uma vassourada é imprescindível. Passar a vassoura nas estatais; passar a vassoura nos ministérios; passar a vassoura nos aliados. Quem são os verdadeiros aliados desse governo? Onde estão eles? Quais são os projetos de impacto desse governo? É preciso resgatá-los! É preciso sair da mesmice e produzir, mostrar coisas novas.
Essa crise deveria ser aproveitada para se fazer tudo que poderia ter sido feito muito antes! É o momento de começar a discutir a Reforma Política e aprová-la, nem que seja em pedaços. A Reforma Administrativa é outra que deve começar a ser discutida e aprovada, mesmo que de forma fatiada. Enfim, é chegado o momento de mudar, sendo que agora, mudar de verdade! Chega de Duda Mendonça; chega de alianças fisiologistas! O momento é de transformar o governo num governo de lutas e realizações! É hora do governo seguir sua própria propaganda e "Dar um bom exemplo" à sociedade.
O que eu tenho dito é que o PT ganhou as eleições presidenciais, mas o governo não é PT. Nunca foi. E é isso que deve começar a ser resgatado, pois Lula foi eleito para mudar. Mudar qualquer coisa que seja, mas, preferencialmente, efetuar mudanças estruturais que, de fato, recolocassem o país num rumo diferente.
Não acredito que se trate de golpismo oposicionista, nem tampouco creio que seja o maior esquema de corrupção jamais visto por Roberto Jefferson. A confusão é consequência da inabilidade política do governo, somado a uma classe corrompida e apodrecida no Congresso e ao desgosto e ciúmes de deputado em cair sozinho enquanto outros continuam a mamar das tetas em que ele sempre mamou.
As apurações vão ser feitas, os corruptos vão ser parcialmente descobertos e no ônibus governista ficarão os que têm compromisso com o governo. E, espero, isso acontecerá rapidamente, sem intervenção do Palácio; até porque os palacianos estarão trabalhando para, em 2006, mostrar algum projeto ou alguma atitude que justifique a reeleição de Lula para presidente.

Um comentário:

Jorge disse...

O problema maior de tudo isso, Diogo, é a maneira como se faz a leitura dos fatos. Quem tem acompanhado a imprensa, sobretudo escrita, só pode supor que há golpismo. A VEJA é imoral, hipócrita, manqueísta. A capa desta semana demonstra que jornalismo barato ela pratica. Enquanto a Folha de SP poulpa o fraco governo de Alckimim, no governo de Lula, nada presta, tudo é erro, lama. A gente vive uma ditadura midiática, e há muitas formas de engendrar um "golpe" , uma delas é minar o governo semanal e diariamente. Eu nunca vi um panfletismo tão explícito como vejo na lamentável( e pauperrima do ponto de vista da qualidade dos textos) imprensa brasileira.
Quando olha os membros da CPI dos Correios, ACM neto, Sérgio Guerra, entre outros, vangloriando a "retidão" de vossa excelência Roberto Jefferson dá náusea.
O governo têm falhas do ponto de vista político, sem dúvida, mas essa campanha de desmoralização sustenta por uma imprensa "tão desinteressada" - quanta honestidade, não? - é intolerável.